Simple Blog Grid Masonry Fullwidth Magazine

Macroplan na mídia

La crisis cambia de manos en Brasil

La destitución de Dilma Rousseff despeja el camino para Michel Temer, apoyado por el mercado aunque casi tan impopular como su antecesora

Brasil ha dicho adiós, casi de forma simultánea, a los primeros Juegos Olímpicos de su historia y a un juicio político que parecía interminable. Después de 112 días seguidos con dos presidentes – una apartada de sus funciones y otro interino -, la destitución de la izquierdista Dilma Rousseff por 61 votos contra 20 deja definitivamente al conservador Michel Temer a los mandos del mayor país de América Latina.

La última votación del Senado, el miércoles 31 de agosto, cierra una etapa turbulenta que en cierta manera comenzó en la dura campaña electoral de 2014, se agravó por el choque frontal entre un Gobierno desorientado y un Congreso rebelde y culminó en el dilatado proceso de impeachment (o impugnación) que ha puesto fin a la carrera política de Dilma.

En cambio, su exvicepresidente Temer, a quien ahora acusa de ‘usurpador’ y ‘golpista’, entra en el mes de septiembre ya ratificado en el Palacio de Planalto y dispuesto a completar el resto del mandato hasta el 31 de diciembre de 2018, salvo que ocurra un nuevo derrocamiento difícil de prever a estas alturas.

El PIB ha caído por sexto trimestre consecutivo y el paro ha pasado del 9% al 11% desde finales de 2015

A punto de cumplir 76 años, Temer en realidad lleva gobernando desde el pasado 12 de mayo, cuando su antigua aliada fue suspendida a raíz de la primera votación del Senado. Nada más llegar, cambió a todos los ministros ‘ni una sola mujer’ y desde el primer día su Gobierno se comportó como si fuera definitivo, anunciando un gigantesco objetivo de déficit y emitiendo comunicados nada sutiles contra los vecinos bolivarianos por ‘propagar falsedades’ acerca del impeachment.

Ya en la recta final del juicio a Dilma, mientras ella respondía durante horas a las preguntas de los senadores, su sustituto prefería hacerse selfies con los medallistas olímpicos brasileños y hasta probarse entre sonrisas un gorro de waterpolo. Todo para demostrar ‘absoluta tranquilidad’, dijo, ante el desenlace del proceso que ha terminado aupándolo hasta la Presidencia.

En estos más de tres meses, el mandatario y sus colaboradores de tendencia liberal se han ganado la confianza de los agentes económicos con sus planes para dejar atrás el intervencionismo de Dilma y abrir espacio a la iniciativa privada. Así, después de dos años de crisis aguda, los mercados están volviendo a animarse al tiempo que el sector productivo empieza a recuperar lentamente un optimismo moderado. Siempre teniendo en cuenta que el PIB acaba de registrar su sexta caída trimestral consecutiva y que el desempleo se ha disparado desde una tasa inferior al 9% a más del 11% desde finales del año pasado.

Confianza empresarial

Según una encuesta realizada entre una muestra de más de 70 empresarios, ejecutivos y especialistas, la mayoría cree que este Ejecutivo de centro-derecha conseguirá aprobar el ajuste fiscal e iniciar una agenda de reformas, aunque sea mínima y seguramente insuficiente para resolver los problemas estructurales del país.

El estudio de la consultora Macroplan, con sede en Río de Janeiro, constata un ‘aumento significativo de las expectativas positivas’ en las últimas semanas. Entre junio y agosto, a medida que el impeachment fue asumiéndose como irreversible, los que apostaban por el ‘éxito’ de Temer pasaron del 58% al 67%, mientras que los pronósticos negativos se redujeron del 42% al 33%.

“El presidente cuenta con el respaldo del mercado y del sector empresarial para llevar adelante su agenda”, explica desde Brasilia el politólogo Juliano Griebeler. “Lo que el Gobierno necesita ahora es mostrar capacidad para aprobar sus propuestas en el Congreso, algo que Dilma no consiguió hacer”, advierte. Entre esos proyectos prioritarios se incluyen una impopular reforma de las pensiones y una enmienda constitucional para fijar un techo de gasto público.

Para Griebeler, “la conclusión del impeachment no es el fin de los problemas para Temer”. Porque a partir de ahora, el veterano mandatario “necesita esforzarse para mostrar resultados” y corre el riesgo de que se abran grietas en su amplia coalición parlamentaria. “Sin un enemigo en común y con las elecciones municipales [de octubre] en marcha, la luna de miel entre sus partidos aliados no tardará en dar señales de desgaste”, añade este especialista en relaciones gubernamentales de la empresa de consultoría Barral M Jorge.

Desprestigio

Y mientras los mercados tienen sus esperanzas depositadas en la gestión de Temer para que Brasil vuelva a la senda del crecimiento en 2017, la población no parece tan entusiasmada. Si bien es cierto que Dilma llegó a ser extremadamente impopular y su impugnación cosechó un apoyo abrumador en las encuestas, su sucesor tampoco está para grandes fiestas a juzgar por sus raquíticas cifras de aprobación.

De acuerdo con el sondeo más reciente, apenas un 14% de los brasileños considera ‘buena’ o ‘muy buena’ la gestión de Temer, frente al casi idéntico 13% que valoraba de ese modo a Dilma antes de su caída. La sensible diferencia está en el rechazo que despiertan uno y otro: el 31% tacha al nuevo presidente de ‘malo’ o ‘pésimo’, mientras que en el caso de ella la desaprobación superaba el 60%.

Los resultados pueden considerarse razonables dado que ambos líderes, hoy firmes adversarios, en su día fueron felices compañeros de candidatura en dos elecciones consecutivas. Y sus respectivos partidos, el de los Trabajadores (PT) y el del Movimiento Democrático Brasileño (PMDB), gobernaron juntos durante más de una década antes de divorciarse debido a la traición del impeachment.

La propia Dilma Rousseff se refirió a la ruptura de esa antigua alianza durante su defensa ante el pleno del Senado en la capital brasileña. “Como todos, tengo defectos y cometo errores. Pero entre mis defectos no están la deslealtad ni la cobardía”, aseguró, sin mencionar por su nombre a quien fue su número dos por más de cinco años. “Lo que pretende este Gobierno es un verdadero ataque a las conquistas de los últimos años”, alertó, antes de enumerar riesgos como la posible desvalorización de las pensiones o una eventual privatización del petróleo y otras ‘riquezas naturales’.

Más que servirle para convencer a los senadores de que votaran por su absolución, la intervención final de la antigua guerrillera marxista dio el pistoletazo de salida para la nueva estrategia de resistencia al Gobierno Temer, encabezada de manera informal por el expresidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Oposición de izquierda

Así lo analiza la periodista Helena Chagas, que asesoró a la heredera de Lula en su primera campaña presidencial y después ejerció como ministra de la Secretaría de Comunicación Social entre 2011 y 2014: “El discurso fuerte de Dilma dará munición al PT y sus aliados, que empiezan a andar los difíciles caminos de la oposición. Fue un adelanto de lo que estará en juego en las próximas disputas en torno a temas como el ajuste fiscal o el techo de gasto público”.

Fátima Bezerra, una de las senadoras del PT que se mantuvieron fieles a Dilma hasta el último minuto, adelanta que los suyos ‘seguirán radicalmente en la trinchera en defensa de la democracia’. “Vamos a continuar denunciando el golpe en Brasil y en el mundo, así como el carácter ilegítimo de este Gobierno, porque un Gobierno que no nace del voto en las urnas no tiene legitimidad”, afirma en una entrevista telefónica. “Y vamos a seguir cada vez más empeñados en impedir la agenda del golpe y la retirada de conquistas de derechos sociales de los trabajadores y del pueblo brasileño”, avisa Bezerra.

Lucha anticorrupción

Para esta senadora de la región Nordeste, donde Lula y Dilma solían obtener sus mejores resultados, “lo más repugnante del golpe en curso es exactamente la afrenta a la Constitución, a aquello que tiene de más soberano, que es el derecho del pueblo de escoger a sus gobernantes”. En su opinión, “es inaceptable e injustificable que un colegio electoral de 81 senadores juzgue y condene a una presidenta inocente, cuando más de la mitad del Congreso ni siquiera está en condiciones morales porque responde a investigaciones y denuncias”.

Los escándalos de corrupción amenazan con hacer tambalearse al nuevo ocupante del Palacio de Planalto

Precisamente esos escándalos de corrupción, como el que se investiga en la operación Lava Jato en torno a la compañía semiestatal Petrobras, son uno de los nubarrones que amenazan con hacer tambalearse también al nuevo ocupante del Palacio de Planalto. Al haber gestionado ministerios y numerosos altos cargos en los últimos años, los dirigentes del PMDB de Temer están tan salpicados como los del PT de Dilma, tanto que varios de ellos aparecen mencionados con frecuencia en las filtraciones sobre sobornos millonarios.

“La Lava Jato seguirá creando inestabilidad política para el Gobierno”, prevé el politólogo Juliano Griebeler. En concreto, la delación que está negociando la constructora Odebrecht con los investigadores “promete afectar a la mitad de los diputados, senadores y gobernadores” así como “perjudicar a ministros próximos a Temer”, según el consultor.

En definitiva, Brasil apenas ha disipado la incertidumbre en torno a quién gobernará ‘en principio’ hasta las próximas elecciones presidenciales de 2018, pero los problemas de fondo parecen lejos de resolverse. Solo que los protagonistas han cambiado de lado: quienes antes intentaban aprobar medidas de austeridad desde el poder ahora las criticarán desde la oposición, y aquellos que pretendían desvincularse de la culpabilidad de la crisis no tendrán más remedio que asumir su responsabilidad en la búsqueda de soluciones no siempre populares. Atrás queda, para los libros de historia, uno de los capítulos más dramáticos de esta democracia todavía joven.

Macroplan na mídia

Crise dos Estados chega após 10 anos de receita recorde

Estudo mostra que, de 2004 a 2015, receita extra foi de R$ 170 bi, mas ineficiência nos gastos ajudou a agravar os efeitos da recessão

Seguindo o exemplo do Rio de Janeiro, governadores do Norte, Nordeste e Centro-Oeste ameaçam decretar calamidade pública, a partir desta semana, se a União não lhes conceder uma ajuda de R$ 7 bilhões. Minas Gerais esboçou a mesma intenção e o Rio Grande do Sul segue parcelando pagamentos. Para os especialistas em finanças públicas, a situação pré-falimentar dos Estados comprova que eles não apenas demandam ajuda emergencial para sobreviver à recessão: precisam de uma reestruturação urgente e profunda.

O paradoxo é que a crise chega após um longo período de bonança. Nos últimos dez anos, os governos estaduais viveram uma espécie de ‘boom’ das receitas. De 2004 a 2015, a arrecadação cresceu, em média, 41% acima da inflação – o que significou uma receita extra de R$ 170 bilhões, segundo estudo realizado pela consultoria Macroplan. Ocorre que as despesas avançaram mais: 50% acima da inflação. E o endividamento foi além: após um período sob controle, disparou e fechou 2015 em R$ 653 bilhões (veja gráfico). “Os Estados desperdiçaram a década”, diz Gustavo Morelli, diretor da Macroplan.

Esse ‘desperdício’ pode ser medido nos indicadores de prestação de serviços públicos do estudo, que mostram como a qualidade avançou pouco em relação aos recursos disponíveis ou, em vários casos, estagnou e até retrocedeu. Na área da saúde apena quatro Estados tiveram melhoras expressivas. Na educação, todos tiveram pequenos avanços, mas 17 regrediram na nota do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). Na segurança, 21 pioraram e quem melhorou foi bem pouco.

Pelo estudo, por exemplo, é possível saber que Sergipe investe por aluno quase o mesmo que São Paulo, mas a sua nota no Ideb foi caindo. Na década, Alagoas praticamente dobrou os investimentos em segurança, mas dobrou também a sua taxa de homicídios e hoje é o Estado mais violento do País. Numa demonstração de que gestão é tão ou mais importante que dinheiro, o Ceará, com baixos investimentos na reformulação do atendimento, reduziu pela metade a taxa de mortalidade infantil (leia mais abaixo).

A Macroplan cruzou informações de 28 indicadores, como déficit habitacional, taxa de desemprego, cobertura de saneamento, índice de transparência e até o trâmite de processos judiciais dos 27 Estados e Distrito Federal. A conclusão: “Pela quantidade de recursos disponíveis, os Estados tiveram melhorias muito heterogêneas e, em muitos casos, abaixo do esperado – precisam de uma agenda de reformas para avançarem”, diz Morelli. Essas reformas se tornam mais urgentes, avalia ele, porque, daqui para frente, o cenário é de restrição. A retomada do crescimento tende a ser mais lenta e o ajuste fiscal, com corte de gastos, inexorável: “Sem reformas, os Estados terão uma verdadeira década perdida daqui para frente”, diz.

 

Gestão

Parte dessa mudança precisa incluir uma postura nova em relação à gestão financeira, dizem os economistas Vilma da Conceição Pinto e José Roberto Afonso, do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), que têm publicado pesquisas e artigos sobre o tema. “Quando a receita começou a cair, os Estados usaram de contabilidade criativa, ainda que legal, para maquiar os gastos: precisam voltar a aplicar rigorosamente a Lei de Responsabilidade Fiscal”, diz Vilma.

Afonso lembra que ainda há uma crise estrutural a ser resolvida nas fontes de receitas dos Estados: o ICMS, principal imposto estadual, está ‘obsoleto’ e perde espaço com a desindustrialização e a guerra fiscal. O Fundo de Participação dos Estados murcha. Também perderam com a municipalização do SUS, a criação de fundos, como o da educação básica, e até com mudanças nos royalties de petróleo. “Qual foi a solução? Se endividaram, patrocinados pelo próprio Tesouro Nacional. Não é por outro motivo que governadores do Nordeste reclamam, mas a principal reivindicação é se endividar de novo: é como um vício que não se consegue largar, ainda que se saiba que vai lhe matar”, diz Afonso.

José Wellington Dias, governador do Piauí, concorda que nem todo mundo faz o dever de casa e que há muito a reestruturar, mas reforça a necessidade de ajuda de curto prazo. “Norte e Nordeste têm uma grande dependência de repasses da União, que despencaram. Se nada for feito, em pouco tempo vamos estar igual ao Rio Grande do Sul, atrasando a folha e restringindo serviços básicos”.

Notícias

Diretor da Macroplan analisa papel de lideranças em momentos de crise

Num cenário de incertezas, o imediatismo e a fragmentação da ação gerencial podem comprometer um processo de mudança bem sucedido. Glaucio Neves, diretor da Macroplan, defende que é função dos líderes definir prioridades atreladas à uma visão de futuro, especialmente em momentos de crise. “O ato de liderar a mudança implica em ter clareza das prioridades, sabendo exatamente o que deve ser feito – ações importantes e urgentes- e, principalmente, o que não será feito sob pena de desviar o foco”, afirma Neves, em artigo sobre o papel das lideranças na crise.

O texto também aponta formas para engajar pessoas com a execução das prioridades, uma das tarefas mais críticas do processo de liderança, segundo o diretor da Macroplan. “Costumamos ser melhores planejadores do que ‘fazedores’ e a disciplina de execução não é um atributo tão valorizado na nossa cultura”, avalia.

A coesão gerencial, segundo Neves, é outra conduta que contribui positivamente para o processo de mudança. É papel do líder garantir que os integrantes de uma equipe exerçam funções complementares, com a clareza de que atuam coordenadamente em prol de um mesmo objetivo. “É como uma boa banda de jazz, onde o improviso individual é permitido, mas sem tirar a harmonia melódica nem o brilho do coletivo. O papel do líder é indicar o sequenciamento das músicas e ajudar no encaixe dos arranjos sem desafinar”, ilustra o artigo.Num cenário de incertezas, o imediatismo e a fragmentação da ação gerencial podem comprometer um processo de mudança bem sucedido. Glaucio Neves, diretor da Macroplan, defende que é função dos líderes definir prioridades atreladas à uma visão de futuro, especialmente em momentos de crise.

O artigo ressalta também que o principal papel das lideranças é tomar decisões difíceis, para garantir que todo esforço de engajamento, coesão e definição de prioridades não seja desperdiçado. “Em toda decisão está embutida uma escolha e muitas vezes abrir mão de caminhos mais fáceis para adotar medidas estruturais mais duras pode garantir a sustentabilidade de longo prazo”, conclui Neves no artigo que está disponível para download.

Notícias

Governador de Goiás avalia metas do Planejamento Estratégico

O Governador Marconi Perillo e secretários estaduais de Goiás reuniram-se para pactuar medidas que podem aumentar a competitividade do Estado. As metas estão estabelecidas no programa “Goiás Mais Competitivo”, que tem como objetivo inserir o Estado entre os cinco mais competitivos do Brasil.

Coordenado pela Secretaria Estadual de Gestão e Planejamento, o programa está sendo desenvolvido com apoio da Macroplan. A consultoria foi responsável pelo diagnóstico situacional do Estado e também apoiou na definição das prioridades estratégicas setoriais e no desenho da carteira de programas e projetos estratégicos para o triênio 2016-2018.

“Trabalhamos, junto com a Secretaria Estadual de Gestão e Planejamento, em duas frentes. Uma de curto prazo, que direcionou a elaboração de 15 programas prioritários. Já na frente de longo prazo, serão elaborados cenários e uma estratégia para desenvolvimento econômico no horizonte 2035”, explica Ana Guerrini, consultora da Macroplan responsável pelo projeto.

O programa “Goiás Mais Competitivo” foi lançado em setembro de 2015, suas ações desenvolvem-se em torno de três eixos prioritários: aumento da competitividade do Estado, melhoria da qualidade de vida da sociedade goiana e eficiência da gestão pública.

Na segunda fase, prevista para ser concluída até o final de 2016, a Macroplan apoiará o governo formulação de estratégia de desenvolvimento econômico de longo  prazo. O desafio é, mesmo no ambiente de crise, permitir que estado de Goiás continue a crescer em ritmo mais acelerado do que a média brasileira pelos próximos vinte anos.

Macroplan na mídia

La economía brasileña recupera un optimismo moderado ante el juicio definitivo a Dilma

Durante dos largas semanas, los Juegos de Río 2016 han servido como una distracción y una inyección de ánimo para los brasileños. Terminada la fiesta olímpica, el mayor país de América Latina vuelve resignado a la crisis política y económica en la que vive atrapado desde hace dos años.

Este jueves comenzó en Brasilia el juicio a Dilma Rousseff, la presidenta apartada del poder en mayo y que previsiblemente será destituida de forma definitiva en los próximos días. En la primera votación, 55 de los 81 senadores aprobaron el inicio del proceso de impugnación (o impeachment) contra ella. Y, según los cálculos de sus adversarios, esta vez podrían ser 60 o más.

Dilma, que irá el próximo lunes al pleno del Senado para defenderse personalmente, está acusada de un supuesto crimen de responsabilidad por realizar maniobras para maquillar el deterioro de las cuentas públicas durante su mandato. La sucesora de Luiz Inácio Lula da Silva se dice víctima de un ?golpe? y afirma que, desde que fue reelegida en 2014, sus adversarios no hicieron otra cosa que buscar excusas para arrebatarle la Presidencia por la vía parlamentaria.

   

Probablemente Dilma será destituida de forma definitiva en los próximos días

En cualquier caso, Dilma cayó con una aprobación del 13% y nadie cree que vaya a recuperar el cargo. ?El resultado del proceso ya está decidido. La presidenta no tiene esperanzas de regresar, pero quiere dejar registrado que luchó hasta el final contra un proceso que considera ilegítimo y antidemocrático?, explica el politólogo Juliano Griebeler, de la empresa de consultoría Barral M Jorge.

En su lugar será ratificado Michel Temer, su antiguo aliado en dos campañas electorales y que ha cumplido más de 100 días como presidente interino con una valoración casi idéntica a la de su predecesora: 14%. La diferencia entre la impopularidad de uno y otro es el rechazo que despiertan en los brasileños: a ella, un 63% la consideraba ?mala? o ?pésima?; a él, un 31%.

Hacia el fin de la recesión

Desde que la izquierdista Dilma fue suspendida de sus funciones y abandonó el Palacio presidencial de Planalto, las perspectivas económicas han mejorado ligeramente dentro de la gravedad de la recesión.

   

Las perspectivas económicas han mejorado ligeramente dentro de la gravedad de la recesión

En abril, cuando el proceso aún estaba tramitándose en la Cámara de los Diputados, los analistas del mercado financiero preveían que el Producto Interior Bruto (PIB) caería este año un 3,8%. Ahora, en cambio, apuntan a una contracción del 3,2%. Y para 2017, las proyecciones han pasado de una expansión del 0,2% al 1,2%.

Las apuestas indican que el sector productivo confía en el conservador Temer para sanear las cuentas descontroladas y volver a poner al país en la senda del crecimiento. De acuerdo con un sondeo realizado por la consultora Macroplan entre más de 70 empresarios, ejecutivos y especialistas, la mayoría piensa que el mandatario tendrá éxito en la tarea de superar la fase más aguda de la crisis.

El optimismo, sin embargo, es moderado. Entre los cuatro escenarios planteados a los encuestados, desde el ‘éxito total’ del Gobierno Temer hasta el ‘fracaso total’ que supondría su derrota en la votación final del impeachment y la vuelta de Dilma al poder, más de la mitad (52%) apuesta por un éxito apenas ‘parcial’.

Ajuste con matices

Si se confirma ese pronóstico, el nuevo presidente brasileño logrará convencer al Congreso para aprobar un ajuste fiscal ‘de emergencia’ y una ‘agenda mínima de reformas’, suficientes para superar la recesión. Pero “no se solucionarán los principales obstáculos estructurales para un nuevo ciclo de crecimiento sostenido, probablemente debido a las resistencias políticas a medidas más drásticas [de recortes] y a los problemas económicos heredados”, según advierte la empresa de consultoría con sede en Río de Janeiro.

El estudio constata un ‘aumento significativo de las expectativas positivas’ en las últimas semanas. Entre junio y agosto, los que apuestan por el éxito (total o parcial) de este Ejecutivo de centro-derecha han pasado del 58% al 67%, mientras que los pronósticos negativos se han reducido del 42% al 33%.

Para Claudio Porto, presidente de Macroplan, los primeros pasos del Gobierno Temer han estado marcados por una cierta “ambigüedad”. Por un lado, “innegables avances positivos” en la agenda económica; por otro, “crecientes resistencias” entre algunos sectores políticos y sociales que “imponen concesiones que comienzan a preocupar a los especialistas y analistas del mercado”. En resumen, avisa Porto, “todavía persisten muchas incertidumbres”.

Macroplan na mídia

Expectativa de melhora

Pesquisa realizada pela consultoria Macroplan indica que aumentou a percepção de que o governo de Michel Temer pode dar certo. O índice que inclui sucesso parcial e amplo passou de 58%, há dois meses, para 67% agora. Já a sensação de fracasso cedeu de 42% para 33%.

Saindo da UTI

Para a maioria dos entrevistados pela Macroplan, mesmo não fazendo o governo dos sonhos, Temer será capaz de tirar o Brasil da UTI, promovendo algumas reformas estruturais importantes e criando as condições para um crescimento mais forte da economia a partir de 2018.

Notícias

Macroplan apoia implantação do Consórcio Brasil Central

Em uma iniciativa inédita e inovadora, os estados do Centro-Oeste, o Distrito Federal, Tocantins e Rondônia formaram um consórcio interestadual para impulsionar o desenvolvimento econômico da região. O Consórcio Brasil Central prevê um modelo de cooperação entre as seis unidades, com a proposta de construir uma agenda de desenvolvimento com base nas ações realizadas nos diversos eixos estratégicos que interessam a todos os Estados. Inicialmente, a parceria atuará em seis frentes principais: agropecuária, educação, empreendedorismo, industrialização, inovação e infraestrutura e logística.

O bloco econômico está organizado em forma de associação pública, vinculada aos seis Estados. A Macroplan está apoiando a implantação dessa nova entidade, formada por uma Assembleia Geral e um Conselho de Administração, além de uma estrutura de diretorias e assessorias. A consultoria está atuando em quatro frentes de ação: elaboração da visão estratégica do Consórcio Brasil Central, definição de um modelo de governança e organização para o bloco econômico, apoio à forma de atuação do Conselho de Administração e um diagnóstico situacional da Região.

“Temos o papel de ajudar os estados a se alinharem em torno de uma visão estratégica para a Região, além da preparação de uma agenda para os próximos dois anos. Estamos assessorando na construção de um modelo de governança, organização e gestão para o Consórcio e também a implantação do Conselho de Administração, para que se consolide como um órgão atuante, com uma estrutura enxuta e executiva”, destaca Renato Naegele, consultor da Macroplan responsável pelo trabalho com o Consórcio Brasil Central.

Além de apoiar a estruturação do bloco econômico, a consultoria realiza estudos diagnósticos para apoiar iniciativas imediatas do grupo. O conhecimento sobre as exportações dos seis Estados do Brasil Central vai permitir ao Consórcio desenvolver ações para expansão da participação da Região nas exportações totasi do País. Também estamos mapeando os requisitos fitossanitários nos principais países compradores de produtos do agronegócio região, para que o Consórcio possa desenvolver, no médio prazo, ações que levem a estabelecer um selo de qualidade. Por fim, a Macroplan está construindo um indicador regional relacionado a qualidade da educação, o IDEB do ensino médio do Brasil Central, para mobilizar as ações do Consórcio com vistas a superar em todos os Estados a meta nacional.

“Com essa iniciativa, os estados da região mais que concorrentes entre si, passam principalmente a cooperar por um desenvolvimento e crescimento integrado, ganhando maior relevância e ampliando a participação na economia nacional”, projeta Naegele.

Macroplan na mídia

Faltam líderes

A atual crise brasileira revela uma aguda escassez de líderes com visão de longo prazo e capacidade de infundir confiança por meio do exemplo, problema que ainda vai perdurar por um longo período e promete ser um desafio para os eleitores nos próximos pleitos. A perda de legitimidade de políticos – independentemente de vinculações partidárias – se tornou endêmica.

Nomes antes promissores foram varridos do tabuleiro político, e não há no horizonte novos líderes despontando. Resolvi pedir ao economista Claudio Porto, presidente da consultoria Macroplan, especializada em planejamento e gestão e cenários prospectivos, uma avaliação sobre os governadores mais promissores em atividade, nomes que podem aparecer, a médio e longo prazos, como eventuais alternativas políticas.

A Macroplan acompanha há longo  tempo o desempenho de governantes, avaliando a qualidade da gestão pública no País, e tem uma visão detalhada de inovações em curso em governos estaduais. Porto confirma a sensação de ausência de lideranças no campo nacional, e de quadros que inspirem confiança para conduzir o País rumo a uma trajetória de crescimento sustentável no longo prazo, mas identifica gestores diferenciados que eventualmente poderão ocupar esse imenso espaço vazio. 

Para Porto, a grave crise econômica coloca em evidência aqueles que mais tem trabalhado no ajuste estrutural das finanças públicas sem comprometer as entregas de serviços e obras à sociedade. Dos três que ele destaca numa primeira leva, apenas o governo do Espírito Santo é seu cliente.

O governador Paulo Hartung, do PMDB, retornou ao cargo depois de um primeiro período de governo em que livrou o Espírito Santo do crime organizado e implantou um modelo de gestão política, estratégica e de austeridade fiscal reconhecido nacionalmente, especialmente pela capacidade de produzir respostas rápidas e em acordo com os demais poderes do estado capixaba.

Não foi à toa que o ministro da Fazenda Henrique Meirelles foi buscar em seu governo a Secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, que era Secretária da Fazenda de Hartung. “Apesar do ambiente de escassez de recursos, o governo capixaba prestou os serviços de saúde, educação, segurança e assistência social sem nenhuma interrupção, pagou servidores e fornecedores em dia e terminou 2015 reequilibrado do ponto de vista fiscal, situação nada comparável aos déficits de 7,6 bilhões do Estado do Rio de Janeiro, 2,6 bilhões de Minas Gerais e 2,2 bilhões do Rio Grande do Sul” analisa Porto.

Ele destaca ainda o rigoroso ajuste de gastos de custeio feito por Hartung, com redução de cargos comissionados, renegociação de contratos de fornecimento e adequação dos investimentos à disponibilidade de recursos.

Outro que vem se destacando, na opinião da Macroplan, é o governador do Rio Grande do Sul, Ivo Sartori, também do PMDB. “Embora à primeira vista possam ser interpretadas como emergenciais ou  meramente pragmáticas por serem inevitáveis, as medidas do governador Sartori de disciplinar gastos revelam que ele esboça uma reação estrutural”, analisa Claudio Porto.

Apoiado por uma coalizão empresarial e de lideranças civis, Sartori liderou a aprovação da primeira Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual no país – que cria regras complementares à Lei Federal de 2000 – e tem o objetivo de restringir a concessão de reajustes salariais para outras administrações ou governantes pagarem, bem como limita contratações, criação de cargos e reajustes salariais se a despesa com pessoal ultrapassar o limite de 60% da receita. Há poucos dias  o governo do Rio Grande do Sul ingressou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o reajuste dos salários dos servidores dos demais poderes do Rio Grande do Sul, aprovado pela Assembleia Legislativa.

O terceiro nome que se apresenta como contraponto ao desencanto com a política, na avaliação de Claudio Porto, é o do governador de Mato Grosso, Pedro Taques, cujo currículo chama a atenção. Procurador da República antes de eleger-se senador, em 2010, Taques, foi protagonista na prisão de empresários e políticos acusados de corrupção, entre os quais o ex-senador Jader Barbalho.

O ex-pedetista e hoje tucano engajou sua trajetória política em temas importantes, como o combate à corrupção, a elaboração do novo código de processo civil e, como governador, foi um dos mais firmes opositores à presidente Dilma. “No campo da gestão Taques tem atuado fortemente na costura de parcerias com a iniciativa privada, principalmente  no campo da Educação, fazendo entregas relevantes para a sociedade”, destaca Porto.

Macroplan na mídia

Despesas dos Estados com pessoal cresceram R$ 100 bi em 8 anos

Entre 2008 e 2015, gastos com a folha aumentaram 40% acima da inflação, quase o dobro dos oito anos anteriores, e avaliação é que aumento deve ser ainda maior

Apesar de serem obrigados, por lei, a conter despesas com pessoal, vários Estados estouraram seus limites e essa conta cresceu em pelo menos R$ 100 bilhões de 2008 para cá – período em que o governo federal afrouxou o monitoramento das finanças estaduais. A alta é espantosa porque representa um crescimento real, acima da inflação, de 40%, e é quase o dobro dos R$ 58 bilhões de aumento de 2000 a 2007, quando se aplicou com mais rigor a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Mesmo sendo gigantesco, a avaliação é que esse número pode ser ainda maior. Gastos com auxílio-paletó, auxílio-combustível, auxílio-moradia, precatórios com alimentação, terceirizados, prestadores de serviços por meio de contrato com organização social e até pensões e aposentadorias – enfim, uma série de despesas decorrentes de pessoal – podem não estar incluídas nessa cifra. “Não dá para saber”, diz Gustavo Morelli, diretor da consultoria Macroplan, que coordenou esse levantamento. Morelli explica que, ao longo dos anos, foram feitas diferentes “interpretações da lei” sobre o que entra ou não na conta, dificultando a análise da saúde financeira dos Estados.

Os especialistas em finanças não gostam de dizer que isso configura “maquiagem” ou que as interpretações criaram uma “caixa preta”. As secretarias de Fazenda conhecem os dados e fazem a prestação de contas dentro da lei. É fato que muitos critérios contrariam o manual do Tesouro Nacional, responsável por monitorar a aplicação da lei. Mas eles foram aprovados pelos Tribunais de Contas dos Estados ou conquistados em disputas na Justiça. Ainda assim, a maioria admite que houve uma “criatividade coletiva” na apresentação dos gastos.

Notícias

Encontro sobre gestão e inovação reuniu prefeitos no Espírito Santo

Em encontro realizado com prefeitos eleitos e reeleitos em cidades do Espírito Santo, o governador do Estado, Paulo Hartung, sugeriu que os atuais e futuros gestores municipais ?se conectem com a realidade da população? destacando que a atuação das prefeituras precisa estar adequada ao atual contexto socioeconômico. O alerta do governador também foi o ponto de partida da palestra ?Gestão Contemporânea? apresentada no evento pelo diretor da Macroplan, Gustavo Morelli.

“O cenário é desafiador para governantes e gestores públicos que enfrentam, ao mesmo tempo, escassez de recursos e mais exigências da sociedade. Não há recursos para fazer mais do mesmo. Fazer menos implica em enorme custo político. É preciso fazer diferente”, afirmou Morelli.

A saída, segundo o diretor da Macroplan, é aumentar a qualidade e a produtividade das políticas públicas e governar em sintonia com a sociedade. “Não se trata apenas de arrecadar mais dinheiro, mas sim de usar melhor os recursos disponíveis”, analisou. Durante a apresentação, Morelli apresentou exemplos de municípios brasileiros que aplicaram com sucesso esse conceito, como o estado de Goiás que em seis anos aumentou a sua nota no IDEB mantendo praticamente estável o investimento por aluno.

“O momento é propício para inovações na gestão que ampliem a produtividade do gasto e a eficiência das políticas públicas. Há um déficit na gestão pública brasileira que permite ganhos em prazos relativamente curtos e o uso intensivo das tecnologias, inclusive de gestão, é chave neste processo”, sintetizou o diretor da Macroplan.

Notícias

A crise nos estados e municípios: desafios e soluções

A atual crise econômica brasileira impõe aos governos estaduais e municipais fortes restrições orçamentárias e tem demandado foco, método, coesão social e escolhas acertadas. Atualmente, 84% dos municípios estão em situação fiscal crítica, assim como os Estados. Os desafios são muitos e as soluções necessárias vão contra ao perfil político dominante no país, que tende ao imediatismo populista, à fragmentação da ação gerencial e ao microgerenciamento.

Mas quais seriam as possíveis soluções diante deste cenário? Glaucio Neves Fernandez, engenheiro de Produção (UFF), com pós-graduação em Gerência de Projetos (FGV-RJ) e MBA Executivo (Coppead/UFRJ), é Diretor Associado da Macroplan e responde a essa e outras questões na entrevista:

Macroplan: Dentro deste contexto de dificuldades e restrições crescentes, quais seriam as soluções possíveis, considerando a pouca margem de manobra e o espaço de expansão financeira restrita? 

Glaucio Neves: Uma resposta adequada para este cenário seria a elaboração de uma agenda, de cunho gerencial, que deve possuir quatro itens: (I) garantir o foco na execução das ações estratégicas prioritárias, evitando dispersão de energia e recursos; (II) agir com método e disciplina para evitar o improviso e o voluntarismo; (III) assegurar a coesão gerencial do núcleo estratégico do governo; e (IV) atuar politicamente na dosagem das expectativas da população.

A primeira delas, que é a definição das prioridades estratégicas, precisa ser formulada de forma dual para ser efetiva, com medidas de curto prazo orientadas para a superação de problemas emergenciais do ponto de vista da sociedade, como a redução de gastos desnecessários mais evidentes ou a melhoria de um serviço público essencial. E medidas mais estruturantes, com resultados de médio e longo prazos, como a melhoria do ambiente de negócios, por exemplo. O segundo item refere-se ao método de trabalho e à disciplina de execução para evitar o improviso e o voluntarismo. No Brasil, é predominante a baixa capacidade de execução de projetos, determinada, na maioria das vezes, pela má qualidade na formulação de projetos ou mesmo na execução de projetos de alto custo e baixo ou negativo retorno social.

Macroplan: O que podemos notar é que a maioria dos problemas enfrentados hoje é de natureza gerencial. Qual o perfil de liderança necessário para enfrentar esse cenário?

Glaucio Neves: Tão importante quanto o método e a disciplina de execução é a coesão gerencial para a ação, que só é possível quando existe liderança firme, capaz de reger a ?orquestra? e conduzir as mediações internas e externas ao governo, necessárias em momentos de maior pressão. O papel medular do líder principal, em especial em momentos de crise, é conduzir as decisões e ações com firmeza e serenidade, antecipando-se e comunicando as medidas mais difíceis para infundir confiança no corpo técnico do governo e na sociedade. A dispersão e a sobreposição de esforços conduzem à improdutividade, à ineficiência e mina a motivação das pessoas.

Macroplan: Como abandonar esse velho ?modo? gerencial e enfrentar as medidas que precisam ser adotadas para sair desse quadro de crise?

Glaucio Neves: Para isso, é primordial administrar as expectativas externas e obter apoio da sociedade. Não basta prestar contas. É indispensável manter uma comunicação efetiva com os diferentes segmentos da sociedade, utilizando as modernas tecnologias de comunicação para compartilhar os problemas e buscar de forma colaborativa a solução. Dosar a expectativa das pessoas em relação ao papel do governo e à sua capacidade de entrega será um dos principais papéis dos líderes públicos daqui para frente. Portanto, é preciso agir rápido e voltar aos fundamentos da boa administração, sem deixar de lado a política. É importante, sim, fazer dela um instrumento de mediação de conflitos para superar as barreiras e viabilizar as entregas que realmente importam para a sociedade.

Glaucio Neves Fernandez é autor do artigo ?O resgate dos fundamentos da boa Administração?, no qual aprofunda a análise sobre os desafios e aponta soluções para a crise financeira em municípios e Estados. O artigo está disponível para consulta e download aqui.

Macroplan na mídia

Incertezas aumentam

A incerteza induzida pelo cenário político agrava as expectativas em torno de uma recuperação econômica e quanto à real possibilidade de um avanço em uma agenda mínima que permita ao país chegar, em 2018, não pior do que agora. Esta é uma das principais constatações da segunda pesquisa sobre expectativas em torno de cenários de sucesso do atual governo interino realizada pela consultoria Macroplan, especializada em estratégia e cenários.

Com a corrupção no centro do debate político no Brasil, os resultados da atual sondagem espelham claramente o poder de influência e transformação da Operação Lava-Jato e ações conexas ou derivadas na percepção de futuro do país.

No primeiro levantamento, feito entre os dias 13 e 19 de maio, com amostra de 82 empresários, executivos, economistas, cientistas políticos, gestores públicos e jornalistas de todas as regiões, 64% indicavam sucesso parcial ou amplo do governo Temer, contra 36% de prognósticos pessimistas.

Na sondagem atual, realizada entre 11 e 22 de junho, junto a 79 entrevistados, 58% apostaram em cenários de sucesso parcial ou amplo, enquanto 42% indicaram o fracasso (parcial ou total) do governo interino.  Os novos resultados são os seguintes: 

a)      Cenário de sucesso amplo – o  Brasil sai da ‘UTI econômica’, viabiliza ajustes econômicos e políticos essenciais e dá partida a um  ciclo de reformas, retomando um crescimento forte a partir de 2018. É um cenário que lembra os primórdios do Plano Real –  indicado por 13% dos pesquisados, contra 16% da pesquisa anterior.

b)      Cenário de sucesso moderado – o Brasil sai da ‘UTI econômica’, supera a fase mais aguda da crise, mas não o encaminhamento da solução dos maiores obstáculos estruturais para um novo ciclo de crescimento sustentado, em face de resistências políticas a medidas mais drásticas e/ou ao significativo passivo de problemas econômicos herdados. A Operação Lava-Jato e eventos correlatos continuam criando embaraços a uma atuação mais desenvolta do Governo – cenário mais provável,  apontado por 45% dos respondentes, contra 49% na pesquisa anterior.

c)       Cenário de fracasso parcial – o Governo Temer realiza ajustes econômicos pontuais, perde a confiança dos mercados, experimenta um progressivo processo de ‘sarneyzação’, ou ‘reedição do Levy’, acumula derrotas no Legislativo e enfrenta uma progressiva deterioração de expectativas dos agentes econômicos. O núcleo do Governo e de sua base de sustentação política sofre acentuado enfraquecimento com a operação ‘Lava Jato’ e ações correlatas e isso se combina com a ampliação das práticas de fisiologismo e ‘varejo político’.  Indicação de 33% na pesquisa atual, contra 29% anteriormente.

d)     Fracasso amplo –  retorno do governo Dilma, com imediata  deterioração das expectativas econômicas e agravamento das tensões políticas ou mesmo um quadro quase caótico e de  ingovernabilidade, com fortes movimentos especulativos no mercado em meio a ‘surtos’ de pânico e aguda instabilidade, no curto prazo.  9% das indicações, contra 6% na pesquisa passada.

“A queda das expectativas positivas não é surpreendente, mas até mesmo previsível, face à evolução da conjuntura nos últimos 45 dias”, explica o economista Claudio Porto, presidente da Macroplan, para quem o governo interino ultrapassou seus primeiros 30 dias de forma ambígua: com avanços positivos na agenda econômica de um lado, mas dificuldades expressivas no campo político.